Pastor Marco Feliciano manda prender ativistas gays que se beijaram durante culto

Igreja Mundial é impedida de realizar culto no Paraná
18 de setembro de 2013
Polícia Federal apreende imagens de pedofilia em ONG cristã
18 de setembro de 2013


Marco Feliciano (foto) pediu que os policiais intervissem depois que as jovens se beijaram durante o sermão.

Protestos de ativistas gays durante o Glorifica Litoral, em São
Sebastião, SP, resultou em tumulto e na prisão de duas jovens
homossexuais, a pedido do pastor Marco Feliciano (PSC-SP).

As jovens Joana Palhares, 18 anos, e Yunka Mihura, 20 anos, estavam se
beijando durante o sermão em protesto, quando Feliciano pediu que os
policiais intervissem.

“A Polícia Militar que aqui está, dê um jeitinho naquelas duas garotas
que estão se beijando. Aquelas duas meninas têm que sair daqui
algemadas. Não adianta fugir, a guarda civil está indo até aí. Isso aqui
não é a casa da mãe Joana, é a casa de Deus”, disse o pastor.

As ativistas afirmaram que houve abuso de autoridade e violência por
parte dos policiais: “Eles tiraram a gente do meio do povo e colocaram
para dentro da grade. A partir do momento em que levaram a gente para
debaixo do palco, me jogaram de canto na grade, deram três tapas na
minha cara e começaram a torcer meu braço”, disse Joana Palhares.

Já sua namorada, Yunka Mihura, disse que haviam casais hetero se
beijando no local, e que o pastor não pediu que a Polícia os impedisse.
Ela confirmou a versão de Joana: “Foi completamente injusto e horrível.
Nunca senti tanta impotência ao ver os policiais batendo nela, me
segurando forte e eu não podendo fazer nada. Não tiraram a gente da
grade, fomos jogadas”.

O advogado de Joana e Yunka, Daniel Galani, afirmou ao G1 que entrará
com uma ação para que seja averiguado quem foram os responsáveis pela
agressão às suas clientes.

“A gente vê que foi uma situação que fugiu completamente ao controle. A
gente sabe que existiam dois direitos em conflito: um é a liberdade de
expressão e o outro a liberdade do ato religioso. Os dois direitos são
constitucionais e estão previstos para que as pessoas possam fazê-los”,
declarou, antes de complementar dizendo que fará uma representação
contra Marco Feliciano nesta segunda-feira, 16 de setembro.

O pastor Marco Feliciano limitou-se a comentar a atitude das jovens:
“Aquilo é desrespeito. Com isso eles me fortalecem e se enfraquecem,
porque qualquer pessoa de bem sabe que em um ambiente religioso não é
lugar de fazer o que aquelas pessoas fizeram. Eu lido de maneira natural
e eles deveriam ter um pouquinho mais de juízo e me esquecer”.

Fonte: Gospel +

%d blogueiros gostam disto: