Líderes evangélicos negociam apoio a Dilma Rousseff nas eleições

Mulher chamada de macaca em igreja ganha indenização
20 de fevereiro de 2014
Cobra que matou pastor será usada de novo em culto no sábado
20 de fevereiro de 2014


Os  líderes evangélicos pretendem apoiar a presidente Dilma Rousseff se ela assumir compromissos de não flexibilizar o aborto e não conceder privilégios a ativistas gays.

As negociatas por apoio nas próximas eleições podem reaproximar lideranças evangélicas e a presidente Dilma Rousseff (PT), caso a mandatária assuma novos compromissos de não flexibilizar o aborto e/ou conceder privilégios a ativistas gays.

A presidente, que será candidata à reeleição, teve sua relação desgastada com as lideranças evangélicas por conta de compromisso semelhante assumido em 2010, e descumprido, segundo os próprios pastores.

A Confederação dos Conselhos de Pastores Evangélicos do Brasil (CONCEPAB) pretende elaborar um documento com uma pauta unificada, e estabelecer um cronograma de reuniões com os pré-candidatos à presidência, de acordo com informações do portal iG.

Essa pauta unificada reuniria temas considerados delicados e essenciais pelos evangélicos, como por exemplo, o aborto e a homossexualidade. Os evangélicos cobram dos políticos que os temas sejam tratados respeitando a postura da maioria cristã no país.

Entre os líderes evangélicos que apoiaram Dilma em 2010 e poderiam voltar a apoiá-la, caso o compromisso seja firmado com garantias de cumprimento, estão o senador licenciado (atual ministro da Pesca) e pré-candidato ao governo do Rio de Janeiro, bispo Marcelo Crivela (PRB-RJ), da Igreja Universal; o senador Walter Pinheiro (PT-BA), da Igreja Batista; e o bispo e ex-deputado federal Robson Rodovalho (PR-DF), da Sara Nossa Terra.

Dois dos apoiadores de Dilma em 2010 já não fazem parte do grupo: pastor Marco Feliciano (PSC-SP), que rompeu com Dilma e o PT após as polêmicas envolvendo sua nomeação para a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM); e o senador Magno Malta (PR-ES), que integra a base governista, mas sinalizou sua intenção de concorrer com Dilma ao mandato de presidente já este ano.

Fonte: Gospel+

%d blogueiros gostam disto: