TEOLOGIA Silas Malafaia e a Fabrica de Divorcios

Silas Malafaia participa do programa de Danilo Gentili no SBT
27 de março de 2014
CEIFEIROS
28 de março de 2014


Apostasia da fé e suas inquietudes à serviço de satanás para alimentar o progresso da modernidade por uma sociedade sem controle. O preparador e maquinador das teorias impraticáveis e, o espirituoso e revolucionário da filosofia sexual, Silas Malafaia, acrescentou o divórcio na sua lista de loucuras. O educador da prosperidade acredita em separação matrimonial por motivos de infidelidade. Nesta entrevista, vai além, diz ser à favor até por questão de infelicidade. Nada de diferente do que a maioria dos muitos líderes evangélicos recasados pensam e pregam hoje. Silas segue entusiasmado, e quando indagado por esta “anticristão-divorciada” a cerca as obrigações matrimoniais para desiludidos, diz que a Bíblia fundamenta “aprovação” pela dissolução matrimonial justificada.

O “Dá… dá…dá…dá…” de Silas é a podridão inevitável como a espontaneidade do ministério do erro. A expressão maldita desta teologia liberal (relativismo) como movimento evangélico.

“Há uma larga diferença entre o ideal e o real” explica Silas em uma das sua colunas “Pastor Malafaia responde”. Para o psicólogo da heterossexualidade o ideal de Deus [Lei] não se aplica hoje. O real “antropocentrismo” não permitiria tal radicalização para uma apropriação moral devida (conversão). Se o posicionamento de Silas com o matrimonio tem conotação relativista, deveria aplicar esta mesma forma de fazer “teologia” com outras diversas fases da iniquidade: homossexualidade, poligamia, incesto e pedofilia [ o ético?].

A interpretação de Silas sobre “pecado” não desfruta do poder completo. O “divórcio” não está admitido na órbita de sua defesa “ética” por que à mancha no seu passado. A mesma mancha gnóstica e voluntariosa que está no histórico das Igrejas Assembléias de Deus, a casa do povo, que poderia ser admitida como parque de diversões, Senado de falastrões e indústria do divórcio. Os homens acostumados com estes juízes de segundo casamento e sabem muito bem aonde encontrá-los. Imbecis acreditando-se desta sorte, lançando-se a esta “nova questão”, que criaram para divorciar-se, sem compreender que nada entendem do que do que querem discutir. Silas prega o liberalismo, mantem o povo numa obediência completa com instinto e espírito animal.

Ps. Caro Silas, o pecado da homossexualidade é tão igual quanto o divórcio. O divórcio adultério. A concepção de “família” defendida em tua tese é desajustada como fantasiosa. Sua responsabilidade contrária a Bíblia e tua teologia oriunda da colônia de banqueiros e mascarados. O teu poder reside na fome e na ignorância de famigerados espirituais que estão a busca de restituição financeira e perfil imoral-inteligente.

Concluímos…

                                   A Bíblia e o Divórcio

1- Casamento

O Matrimônio não é uma conveniência social inventada pela humanidade para preencher uma necessidade ou condição temporária e, portanto, para ser revisado ou abandonado conforme os caprichos de qualquer homem. O matrimônio foi instituído pelo Deus Altíssimo e sua relação com a raça humana é tal, que não pode ser modificada, nem a parte considerada mais insignificante, sem graves consequências O casamento foi criado por Deus e, posteriormente, revelado pela Lei e pelos profetas nas devidas condições estabelecidas, procurando instituir união legítima(sem mancha ou mácula)que sirva de modelo aos homens. O corpo matrimonial é sagrado e inseparável.

2 – Matrimônio – a Lei de Deus para a humanidade

(Gênesis 2:23) “Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada. 24 Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.”

(Mateus 19:4) – Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez, 5 E disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? 6 Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem.

2.1 – Amasiamento ( Mancebia – Estado de quem vive maritalmente com alguém, sem ser casado). Relação sexual fora do casamento(meretrício;prostituição;fornicação).

1 Coríntios 6:15 – Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei, pois, os membros de Cristo, e fá-los-ei membros de uma meretriz? Não, por certo. 16 – Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois numa só carne. 17 – Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito. 18 – Fugi da prostituição. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo. 19 – Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos.

(1 Tessalonicenses 4:03) – Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação; que vos abstenhais da prostituição;

(Gálatas 5:19) – Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia,

(Colossenses 3:05) – Mortificai, pois, os vossos membros, que estão sobre a terra: a prostituição, a impureza, o afeição desordenada, a vil concupiscência, e a avareza, que é idolatria;

(Apocalipse 2:21) – E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua prostituição; e não se arrependeu.

(Apocalipse 9:21) – E não se arrependeram dos seus homicídios, nem das suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos seus furtos.

2.2 – Divórcio (Dissolução do casamento)

(Malaquias 2:14) E dizeis: Por quê? Porque o SENHOR foi testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira, e a mulher da tua aliança. 2:15 E não fez ele somente um, ainda que lhe sobrava o espírito? E por que somente um? Ele buscava uma descendência para Deus. Portanto guardai-vos em vosso espírito, e ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade. 2:16 Porque o SENHOR, o Deus de Israel diz que odeia o DIVÓRCIO, e aquele que encobre a violência com a sua roupa, diz o SENHOR dos Exércitos; portanto guardai-vos em vosso espírito, e não sejais desleais.

(Jeremias3:01) – Eles dizem: Se um homem despedir sua mulher, e ela o deixar, e se ajuntar a outro homem, porventura tornará ele outra vez para ela? Não se poluirá de todo aquela terra? Ora, tu te prostituíste com muitos amantes; mas ainda assim, torna para mim, diz o SENHOR. (2) Levanta os teus olhos aos altos, e vê: onde não te prostituíste? Nos caminhos te assentavas para eles, como o árabe no deserto; assim poluíste a terra com as tuas fornicações e com a tua malícia.

Obs. O divórcio – trata-se de uma constituinte humana. Uma fuga do compromisso sagrado. Desde o início da civilização humana, o próprio Deus advertiu e condenou o repudio dentro do matrimônio legítimo e oficial.

2.3 – Segundo Casamento

(Romanos 7:02) – Porque a mulher que está sujeita ao marido, enquanto ele viver, está-lhe ligada pela lei; mas, morto o marido, está livre da lei do marido. (7:03) De sorte que, vivendo o marido, será chamada adúltera se for de outro marido; mas, morto o marido, livre está da lei, e assim não será adúltera, se for de outro marido.

(1 Coríntios 7:39) – A mulher casada está ligada pela lei todo o tempo que o seu marido vive; mas, se falecer o seu marido fica livre para casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor.

(1 Coríntios 7:27) – Estás ligado a mulher? Não busque separar-te. Estás livre da mulher? Não busques casamento.

(Hebreus 13: 4) – Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém, aos que se dão à prostituição, e aos adúlteros, Deus os julgará.

(Lucas 16:18) – Qualquer que deixa sua mulher, e casa com outra, adultera, e aquele que casa com a repudiada pelo marido adultera também.

Obs. O matrimonio mantém-se ligado pela lei do corpo(união física conjugal). Só poderá ser desfeito(dissolução) com a morte de um dos conjugues. Assim também, a lei de Deus está ligado ao transgressor enquanto a prática do pecado existir. Não há condenação, pela lei de Deus, para aqueles que agora estão em Cristo Jesus (Rm 8:01),pois não andam mais segundo (inclinação) da carne, mas segundo Cristo(morrendo para o pecado e para o que estávamos retidos antes de conhecermos a Jesus, Atos 17:30). Se dissermos que estamos vivos para Cristo Jesus, como poderemos servi-lo estando ainda vivos para o pecado?(Rm 6:02 e 15). Mortifiquemos o pecado para que Jesus Cristo viva em nós (Rm 6:11). Como podemos obter um segundo corpo matrimonial (conjugue), se o outro, do qual me desfiz, ainda vive? (Rm 7:02). Desta mesma forma, como poderemos obter o Novo Homem em Cristo, se o velho homem(pecador) ainda vive pela prática? Ambos necessitam do desligamento(carne), para que exista a justificação perante Deus. Má conduta matrimonial (poligamia; concubinato; divórcio), consequências e maldições citadas em registros bíblicos:

Gênesis 16:01 (Hagar e Ismael)

2 Samuel 11 (Davi e Bate-Seba)

João 4:17(Samaritana)

2.4 – Traição conjugal não justifica 2 casamento

No conceito humano, a traição conjugal é um ato doloso e irreparável. Sujeito a penalidades e retribuições de diversas modalidades. O que o Senhor Jesus falou sobre traição? A ofensa:

Mateus 6:14 Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; 6:15 Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas.

“(…) para sermos perdoados por Deus é necessário que perdoemos a ofensa. A constitucional de Deus para obtermos o perdão de Deus é sabermos perdoar. Como podemos afirmar (perdão) se o ato testemunhal, no caso do divórcio, aparta o conjugue ao invés de reconciliar-se? Anular casamento por motivos de traição conjugal não prova perdão, mas orgulho ferido por parte de quem se diz a vítima(…)” Quando Jesus aborda este tema(traição conjugal)e a permissão justificável para um repudio, não refere-se ao casamento legítimo(matrimônio) mas ao período pré-nupcial. Preste atenção no termo original que Jesus usa para explicar sobre “traição”:

(Mateus 5:32) – Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério.(Prostituição – grego “Pornea”), ato sexual praticado fora do casamento.

Obs. Este versículo não cita delito de ADULTÉRIO (grego – moechea). A prática de adultério está retribuída aos que pecam dentro do casamento. Entendemos que foi o motivo, principal, que levou o Senhor Jesus citar o erro de Moisés( o profeta que aprovou o repudio, devido a pressão pública no tempos antigos – no princípio com Deus não foi assim).

Jesus falando:

(Mateus 19:08) – Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas ao princípio não foi assim.

Obs. Se a condição de Deus para o perdão dos nossos pecados, também requer “de todos” o perdão das ofensas(Mateus 6:14,15), como Jesus aprovaria o repudio por traição conjugal ou abençoaria um 2 casamento? Jesus não estaria contra este grande mandamento: o perdão. Existe perdão no repudio?

Prostituição – Pornea(grego)

Adultério – Moechea(grego)

A história do casamento no A.T

Esta comprovado na história bíblica, que o período pré-nupcial nos tempos antigos, excedia os mesmos valores que uma união civil(sem união de corpos), aonde eram feitos os acordos financeiros entre os familiares de ambas partes. Na cerimônia religiosa selava-se o acordo definitivo desta união(leito matrimonial). Pela explicação de Jesus, entendemos que a permissão para o repudio conjugal restringe especificamente o período pré-nupcial, no qual, envolvia casos como: mulheres que mentiam sobre a virgindade ou que cometiam traição sexual neste período de preparativos. O Senhor Jesus cometeria o mesmo erro que Moisés e os Sacerdotes, permitindo o divórcio dentro do casamento legítimo? Para afirmarmos que este ato libidinoso, anti-bíblico e injustificável (2 casamento por traição conjugal), é aceitável na fé cristã, deveremos fraudar a constitucional do perdão, como mandamento principal, e mudarmos a expressão legítima do texto literário acima: prostituição para adultério. Pelas referências bíblicas, entendemos que é permissível uma anulação de um noivado – dentro dos devidos termos acima . O repudio no matrimônio(divórcio e 2 casamento), é contraditório, inaceitável e imoral.

3 – O ato da Graça e a Lei do Pecado

(Nova Aliança e Novo Testamento). Pela expressão bíblico-doutrinário, não há utilização do termo: legalização de pecados. A proposta de Deus para o homem é a libertação dos pecados(1 João 3:05), e a justificação daquele que tem a sua fé em Jesus(João 3:03). Deus procura através de seu Filho Jesus(corpo e sangue) regenerar pecadores para uma Nova Vida( Coloss. 1:20 á 22). Estabelecer uma reforma de caráter-conceitual e purificação de consciência(Tito 2:11 ao 14). Sendo Jesus o próprio Deus(João 1:01 a 03), estaria contra a sua própria Lei? Veio em carne(homem), para modificar este plano ou restringir o conceito de Deus sobre o pecado? Pelo ato da Graça salvística, Jesus deu liberdade aos homens de criar ou sustentar na fé o que é pecado?(Rm 6:01). O amor de Deus não se limita aos caprichos, conceitos ou pensamentos humano-pecaminosos. Assim como o Senhor é Santo, sejamos santos( 1 Pedro 1:16), independentemente da época em que estamos vivos, Ele continua o mesmo(Ap. 1:08). Jesus confirma :

(Mateus 5:17) Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim destruir, mas cumprir. 5:18 – Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido.

Jesus veio cumprir a Lei através do seu corpo e do seu sangue, para estivéssemos na justiça de Deus. Morreu pelos pecados e deu a todos o direito do perdão e o poder da libertação( sem legalização de pecados).A Lei e os Mandamentos de Deus continuam vigorando. A Lei é Santa e o Mandamento justo e bom( Romanos 7:12); pela Lei conhecemos o pecado(Rm 7:07 – 5:20), e aonde não há conhecimento da Lei de Deus não há conhecimento do pecado(Rm 4:15);Ela nos serviu de aio para nos conduzir a Cristo e a Graça. A Lei é não é feita para o justo e sim para o transgressor(1 Timóteo 1:09). Há na Lei de Deus o conhecimento do pecado e em Jesus Cristo(corpo e o sangue) o preço do perdão e libertação( mortificação dos pecado no nosso corpo – Romanos 6:23).

Obs. Se obedecemos a Jesus, cumprimos o mais importante da lei(espiritual) de Deus – por meio determinante desta fé. Se o desobedecemos, tornamo-nos transgressores da lei de Deus(1 João 3), sendo assim, quem a transgride não herdará o reino de Deus(1 Coríntios 6:09 a 11 – Ap.22:15) e quem serve a Jesus Cristo tem por condição de fé: abandonar a transgressão e o pecado praticado.

4 – Apelo Pastoral:

Todos que procuram a Salvação da sua alma, pense com a mente de Cristo e busque o profundo entendimento da fé. Deus não muda de acordo com o tempo ou costumes culturais – Ele permanece o mesmo. A fé cristã não permite que os seus termos doutrinários se relativizem ou sejam absorvidos pelos meios político-humanísticos deste século. A compreensão da fé, está na decisão por Jesus Cristo e o quanto queremos alcançar em vida a Salvação de Deus.

A tua esposa(o) legítima(o) ainda vive?? É com ela(e) que você deverá estar( se possível busque reconciliação) ou espere no Senhor Jesus á justiça( 1 cor 7 ). Não busque outro casamento( 1 Coríntios 7:27). “mas aos outros digo eu, não o Senhor: se algum irmão tem mulher incrédula, e ela consente habitar com ele, não a deixe. Se alguma mulher tem marido incrédulo, e ele consente habitar com ela, não o deixe. Pois o marido incrédulo é santificado pela mulher, e a mulher incrédula é santificado pelo marido crente. Doutra sorte os vossos filhos seriam impuros, mas agora são santos”.( 1 Coríntios 7: 12,13,14).

MARANATA, JESUS ESTÁ VOLTANDO !

Pastor Daniel Batista

IGREJA CENÁCULO DA FÉ PARA AS NAÇÕES

%d blogueiros gostam disto: