Produtor nega estupro de cantora gospel; jovem diz que “foi à força”

A ÚLTIMA PÁSCOA
15 de setembro de 2014
Pastor é agredido por causa de assento de ônibus e perde o olho
15 de setembro de 2014


Em 2012 a jovem apresentou duas queixas de abuso sexual em cidades diferentes, os casos serão retomados.O produtor musical acusado de dopar e estuprar a cantora gospel Geslyane Piassa prestou depoimento e disse que manteve relações sexuais com a jovem de 16 anos, mas que foi consensual.

O homem, que não teve o nome revelado pela Polícia Civil de Goiânia (GO) é casado e tem filhos, em entrevista ao programa Cidade Alerta, da Rede Record, Geslyane afirmou que ele sempre se mostrou interessado nela, mas que ela não aceitava as investidas.

“Ele [o produtor] sempre me achou interessante e disse para mim várias vezes, mas eu negava porque sei que ele é casado e tem filho”.

No relato à TV a jovem contou que saiu de casa para encontrá-lo na produtora e que foi enganada pelo produtor que ficou de levá-la para casa. “Eu fui até a produtora e depois ele disse que ia me levar em casa. No caminho, mudou a rota e me levou para o motel. Eu fiquei nervosa e ele me deu uma água. Foi quando eu comecei a ficar tonta. Daí só lembro de ter acordado machucada e com o cabelo cortado”.

A Polícia afirma que as versões apresentadas por Geslyane não são coerentes, além de acusar o produtor a jovem acusa também um amigo desse homem e usuários de droga que a teriam violentado sexualmente, além de lhe agredirem e cortarem seus cabelos.

“A minha filha perdeu as contas de quantas pessoas a estupraram. Aquele produtor que a gente confiou, que era evangélico, seduziu minha filha por mensagem e ligações”, diz Eliane Licatta, mãe da jovem cantora.

Jovem se diz vítima de abuso em outros 2 casos

Essa não é a primeira vez que Geslyane passa por um caso como este, em 2012 quando morava em Xavantina, no Mato Grosso, ela também alegou que foi abusada sexualmente. Antes de deixar a cidade a família abandonou o caso que não chegou a ser concluído.

No mesmo ano a família abriu outro processo de abuso, mas na cidade de Iporá, no sul do estado de Goiás. Eles acusavam um homem de tentar aliciar a menor. A polícia vai retomar essas investigações para tentar confirmar os fatos. Com informações R7.

%d blogueiros gostam disto: